PRÉDIOS VERDES E A SAÚDE E BEM ESTAR DE SEUS OCUPANTES

Fonte: The Guardian (jan 2016)

Nos últimos 20 anos, a construção de prédios verdes passou de um nicho da indústria imobiliária para um grande impulsionador de novos negócios. Mas, a partir de 2016, projetar e construir rentáveis ​​edifícios verdes sustentáveis ​​não será mais suficiente para se destacar. Estes prédios deverão também contribuir diretamente para a saúde e o bem estar das pessoas que neles vivem, trabalham ou aprendem dentro deles. Para os edifícios, ser  saudável se tornará o novo verde.

 

O desempenho de um edifício verde - seja no uso de energia, na eficiência do emrpego da água ou apenas as contas de serviços públicos mais baixas - é importante para as empresas que procuram o seu espaço. Com esta evolução saudável emergindo, mais destes usuários começarão a se preocupar com o impacto de um edifício sobre o desempenho dos seres humanos que o utilizam todos os dias.

Já existem alguns indícios que sugerem que edifícios saudáveis ​​têm efeitos positivos sobre as empresas e os trabalhadores que os ocupam. Em um estudo revisado lançado recentemente, pesquisadores do Centro de Harvard para a Saúde e Ambiente Global constatou que a qualidade do ar de um edifício pode afetar a qualidade do pensamento de seus usuários. O estudo demonstrou que a exposição a poluentes domésticos comuns, tais como dióxido de carbono e de compostos orgânicos voláteis (COV) que são encontrados por exemplo nas tintas para tapetes, pode afetar as funções cognitivas. Os pesquisadores escreveram: "Para sete das nove funções cognitivas testadas, os escores médios diminuíram como os níveis de CO2 aumentaram para níveis comumente observados em muitos ambientes internos."

Ao mesmo tempo, os pesquisadores descobriram que, em média, ambientes com melhor ventilação fizeram dobrar o desempenho dos seus participantes, especialmente em áreas críticas, como resposta à crise, a estratégia e uso de informações.

Como a ligação entre o local onde você trabalha e como é o seu desempenho no trabalho se torna mais bem estabelecido e entendido, as empresas que desejam se diferenciar como empregadores devem se concentrar em edifícios mais saudáveis ​​para seus empregados.

Sustentabilidade significa transparência

Logicamente, a compreensão do ambiente construído também requer a compreensão sobre tudo que está dentro dele.

Pense sobre a sala onde você está agora: você pode estar sentado em um sofá ou numa cadeira tratados com retardadores de chama, produtos químicos que estão ligados a problemas de perda de memória ou de fertilidade. Seu tapete pode estar emitindo mais desses compostos orgânicos voláteis, o que provoca irritação na garganta ou dor de cabeça. Seu piso de madeira pode ter formaldeído. Quase todos os produtos em seu quarto contém substâncias químicas que até mesmo os fabricantes não conhecem ou não entendem completamente. E muitos desses produtos químicos têm impactos na saúde que mal começaram a estudar.

Felizmente, a transparência está chegando para a indústria da construção. Já tem havido uma evolução para especificar mais produtos com declarações ambientais, envolvendo estes aspectos de saúde e outros rótulos que revelam a composição de materiais de construção, juntamente com as suas preocupações ambientais e de saúde. E como essas medidas de relatórios padronizados se tornam mais comuns, assim também o uso de materiais que comprovadamente sejam menos perigosos para a nossa saúde.

Avaliação do seu prédio – através do healthWE

Como os edifícios saudáveis ​​estão se tornando mais mainstream, os sistemas de avaliação baseados no mercado, como o Well Building Standard, desenvolvido pela Delos, ajudarão as empresas e profissionais da construção  a utilizar saúde e bem estar para diferenciar seus espaços. O primeiro protocolo a se concentrar especificamente sobre a saúde na construção civil, prescreve melhorias tecnológicas e medidas baseadas no desempenho em sete categorias: ar, água, alimentação, luz, aptidão, conforto e mente.

Formalmente lançado em 2014, o padrão Well é administrado pelo International Well Building Institute,  - o que significa que é um certificado de como proporcionar benefícios sociais e ambientais para além da questão apenas financeira – e é objeto de uma parceria com o  Green Building para fornecer uma certificação de terceiros. Mais de 6 milhões metros quadrados de imóveis em 12 países de cinco continentes já receberam o certificado Well, segundo o site da organização.

 

Enquanto o mundo continua a focar na sustentabilidade para o bem do planeta, a nossa definição de sustentabilidade ambiental está se movendo para além de flora e fauna para incluir os humanos no ecossistema também. E não há melhor linha de frente do que os edifícios onde passamos a maior parte de nosso tempo. No próximo ano, os edifícios não serão mais considerados verdes se eles só nos fizerem menos mal. Cada vez mais os lugares onde vivemos, trabalhamos e aprendemos começarão a ativa e intencionalmente proteger e restaurar a nossa saúde.



Outras notícias


E-book Prédio Eficiente

A AURESIDE que promove o projeto Predio Efici...

Saiba Mais


Edificios Inteligentes: previsões para 2016

2016 deve ser o ano dos edifícios inteligentes! Veja as previsões!

- Os prédios se ...

Saiba Mais


Edifícios vistos sob a ótica dos investidores

Evento realizado no MIT Center for Real State (CRE) em novembro...

Saiba Mais

Realização:



Apoio:



© Copyright 2014 Prédio Eficiente